quarta-feira, 17 de novembro de 2010

O Mercosulino 17/10/2010 -www.camara.gov.br/representacaomercosul

Jornal “Valor Econômico”


Caderno: Agronegócios


Brasil ameaça ir à OMC contra a UE
Assis Moreira | De Genebra

O Brasil endureceu o tom com a União Europeia, acenando com a possibilidade de recurso na Organização Mundial do Comércio (OMC) para poder preencher a Cota Hilton. O país tem direito de exportar ao mercado europeu 10 mil toneladas de cortes nobres de carne bovina dentro da Cota Hilton, mas preencheu menos de 10% no ano-cota encerrado em julho.

Dentro da cota, a carne nobre tem uma tarifa de 20%, enquanto no extracota a UE cobra imposto de 12, 8 %, mais € 3.041 por tonelada. Assim, com tarifa menor pela cota, os frigoríficos brasileiros obtêm prêmio de cerca de US$ 3 mil por tonelada sobre o extracota.

O país não cumpriu a cota porque os produtores brasileiros aceitaram um acordo com a UE, prevendo rastreabilidade rígida da carne, mas não têm conseguido cumpri-lo. O acordo prevê identificação eletrônica dos animais destinados ao abate para atender à cota na desmama ou até 11 meses de idade. Antes, a identificação era feita pela dentição do animal, quando sua idade também era definida. Para o abate na cota Hilton, um dos critérios é de que o animal deve ter menos de 36 meses.

Além disso, a definição da UE para Cota Hilton obriga que os animais sejam alimentados apenas a pasto, o que se torna complicado nos períodos de seca, quando a alimentação do zebu precisa ser suplementada com ração. Essa exigencia só é feita para o Brasil.

Além de buscar uma flexibilização para a rastreabilidade, o Brasil tenta alterar a definição da Cota Hilton. Os europeus querem discutir, primeiro, até o que seria considerado o período da seca no país.

Outro problema, segundo Bruxelas, é que os produtores do Brasil não têm demonstrado interesse em atender às exigências da UE, já que o mercado brasileiro está aquecido e com preços altos.

O Brasil já avisou a UE que se não resolver bilateralmente o problema deve recorrer à OMC para examinar o contencioso que custa dezenas de milhões de dólares em exportações.


Jornais dos Países Membros do Mercosul


Argentina “La Nación”


Sección: Exteriores


Brasil, marca del éxito y modelo para imitar
La Argentina, ante el desafío de seguir el ejemplo del gigante sudamericano, que hoy es sinónimo de previsibilidad
José Claudio Escribano
Enviado especial

PUNTA CANA, República Dominicana.- Brasil será en adelante, sepámoslo, una marca. Un sello de valía, como los automóviles o relojes más rutilantes o aquellas carteras que enternecen a mujeres dispuestas a llevarlas en tren de ver y ser vistas. Como un vino o un champagne indiscutidos, o como esa apelación mágica a "Patagonia", en las guías de turismo o los libros de viajes y aventuras.

La única y no escasa diferencia es que Brasil es un país, un país entero, no un producto o una región que atraiga, entre otras razones, por lo áspera y desolada. Brasil tiene dimensiones imperiales, está al lado nuestro y anticipa, cuando su economía crece ocho puntos, que por el milagro de la integración común la Argentina se ha de asegurar, de rebote, un par de puntos en su producto bruto anual.

En el Foro Iberoamérica, que realizó aquí su undécima reunión como encuentro anual en el que intelectuales, políticos y empresarios discuten las perspectivas latinoamericanas junto con las de España y Portugal, las palabras que más penetran son, como es natural, las más simples y directas.

No sólo las gentes del común; también los ex jefes de gobierno y los políticos que se preparan para tomar el poder o se resisten a dejarlo, y hasta los intelectuales más experimentados en la comprensión de fenómenos sociales, se muestran sensibles a conceptos suficientes para abordar, en una menguada línea, las grandes novedades que se producen en el mundo.

El desiderátum es definir lo nuevo en un rotundo y único vocablo. Los buenos publicitarios lo saben mejor que nadie. Es lo que los argentinos registran con felicidad, sin necesidad de agregados, cuando se identifican como marcas incuestionables del país las carnes, la Patagonia o el tango. ¿Y por qué no la soja, de la que Mauricio Macri dice con astucia que es, por sus aportes a la economía nacional, lo que el tango a la ciudad?

Pues bien, por primera vez que se sepa, en el Foro de Punta Cana se habló de todo un país, y no de alguno de sus símbolos distintivos más celebrados, como sinónimo de marca relevante: Brasil. ¿Qué más podría decirse, con tal fuerza y concisión, y de fácil alcance para la interpretación colectiva, del momento excepcional que atraviesa esa nación cuya virtuosidad institucional salvó el eje de la legitimidad hasta cuando resolvió pasar, en el siglo XIX, del imperio a la monarquía y de la monarquía a la república?

Al escuchar que Brasil se ha hecho acreedor, sin que nadie controvierta el espontáneo veredicto, al estatus envidiable de "marca", que resume la idea de la más fundada confiabilidad, de un respeto competitivo envidiable y de la promesa, por añadidura, de que sumará a las actuales muchas mayores conquistas, las noticias que llegan de otros países de la región consternan. De ello, no se tengan dudas, y ningún poder político dispondrá de derecho para silenciar esa reacción, por más que lo pretenda.

¿Es aquel de Brasil el legado personal y excluyente del antiguo y modesto tornero que se dispone a dejar el gobierno en manos de Dilma Rousseff, la mujer a la que hasta aquí se define como su clon político? Brasil, como marca, es algo que en la política argentina no se termina por asumir, pues de lo contrario se procuraría seguir la lección de sus líderes, en lugar de hacer lo opuesto. Brasil, como marca, no es la victoria de un ser iluminado; en todo caso, lo es de al menos dos. Brasil lleva 16 años de continuidad en políticas básicas de Estado, por las que configura la condición admirable de país previsible.

Ha sido así con un tiempo, primero, de Fernando Henrique Cardoso como canciller y ministro de Economía del presidente Itamar Franco. Con ocho años, luego, de Cardoso como presidente procedente del Partido de la Social Democracia Brasileña, y por fin, con otros ocho años más de Lula, en nombre de un Partido de los Trabajadores que impuso sus prioridades, aunque sin atacar en lo esencial la dirección del rumbo. Ahí está el resultado: "Brasil, marca".

En este foro dedicado al bicentenario latinoamericano se podrá escuchar a Felipe González decir que la política está de vuelta en el mundo para arreglar los desarreglos en el casino financiero internacional, que por primera vez han afectado a los países centrales y no a los países emergentes. Que los más dañados han sido Estados Unidos, Europa y Japón, y que lo sentimos por los amigos japoneses, pero la verdad es que no hablamos de ellos desde hace bastante tiempo y que no valdría la pena insistir, en ese sentido, en la perogrullada de que los chinos han ocupado su lugar en las conversaciones de cualquiera de nosotros.

Que la crisis de gobernanza en los países desarrollados es para quitar el sueño y que cuando un país como Irlanda pone el equivalente del 100 por ciento de su producto bruto en rescatar el sistema financiero nacional, hay razones para temblar, más si se conjetura que a lo mejor será necesario rescatar a Irlanda entera. Sin contar con lo que la suerte depare, en el futuro inmediato, a Grecia.

Todo eso es parte de los paradigmas con los que se incuba el comienzo de una nueva década, pero lo más grave de todo sería si Nouriel Roubini, la estrella más reciente entre los gurúes de la economía mundial, acierta una vez más y el mundo termina precipitándose en una nueva crisis, gestada ante nuestros ojos, y sin que se haya hecho mucho más que cortar los créditos. Si el Grupo de los Siete (G-7) no tuvo poder para prevenir al mundo de los sobresaltos precedentes, menos lo tiene, se coincidió en Punta Cana, el Grupo de los Veinte (G-20) para cumplir ese mismo papel.

En Seúl, los 20 pudieron ponerse de acuerdo en intentar reducir la volatilidad en el valor de las monedas y en los déficits fiscales. No es mucha cosa, cuando lo que está en juego es si algún país se declara en bancarrota, mientras otros sufren, como España, tasas de desempleo del 20 por ciento. Dilma Rousseff, presidenta electa de Brasil, ha dotado de aire trágico a una de esas cuestiones, al recordar que las devaluaciones competitivas derivaron en la Segunda Guerra Mundial, de 1939-1945.

En el mundo están ocurriendo, entretanto, otros fenómenos impensados diez o 20 años atrás. Concierne no sólo a que los Estados Unidos vayan a ser alcanzados por China en 2015 -mañana, por así decirlo- en cuanto a la magnitud del producto bruto nacional. Es lo que expuso sin vacilar el ex secretario de Estado de Relaciones Exteriores y de Educación de México, Fernando Solana.

Hoy mismo, quien asuma el trabajo de contabilizar los vuelos diarios de aviones por el planeta sabrá que los que surcan el Pacífico superan con largura el número de los que atraviesan el espacio atlántico. ¿Nada dice eso a nuestro hemisferio que, para peor, se encuentra ante observadores dispuestos a poner a prueba qué es, en definitiva, aquello tan antiguo de Occidente como marca indestructible? Ahora ven corroerse esa marca entre estadísticas flamígeras y cuestionamientos impensables. ¿Hasta dónde, se preguntan, podrá evitarse que el mandarinato chino y la India sigan con el ascenso sorprendente que por su propia gravitación serrucha, como si nada, el piso de prestigio sobre el que se cimentaron por siglos y siglos las herencias culturales de Grecia, de Palestina y de Roma?

El otro novedoso fenómeno es el que ha estallado en América latina, que es decir, como se calificó aquí, en las fronteras últimas, precisamente, de la civilización occidental. ¿Y si nos tocara al fin algún papel en salvar esta civilización cuestionada?

Estamos comenzando a ser definidos como un continente de clases medias después de que en los últimos cinco años hayan salido de la pobreza en Brasil 28 millones de personas. También, porque a la gesta de desarrollo sostenido en Chile -en la dirección abierta, perturbe o no, por la dictadura de Augusto Pinochet y continuada por casi 20 años de gobiernos de la Concertación y ahora por la centroderecha de Piñera-, se agrega el inesperado salto a la modernidad del Perú de Alan García. El de un Perú que pasa a ser más atractivo incluso que Chile en inversiones extranjeras, que se ha colocado ya como tercera potencia en inversiones mineras mundiales y que multiplicó, entre 2003 y 2008, por cuatro el monto de sus exportaciones y por dos el flujo turístico hacia el país.

Como sucedió a fines del siglo XIX y en la apertura del siglo XX, tener recursos naturales en abundancia no es hoy la maldición en la que han creído generaciones de intelectuales latinoamericanos. Envejecieron envenenados por quienes despotricaban contra la cultura del capitalismo abierto y globalizador, a raíz del deterioro evidente de los términos de intercambio, y fueron incapaces de proponer algo en rigor de verdad sustentable a cambio: altos precios industriales y depreciación de las materias primas, por lo menos desde la crisis del treinta. Con la debacle vino, además, una era de dictaduras, recordó el ex presidente uruguayo Julio María Sanguinetti.

El Foro tomó nota de lo que ha significado para el notable crecimiento de la región desde 2003 no sólo el valor de las commodities agrícolas, sino la eficiencia objetivada en los excepcionales índices de productividad del sector agropecuario, como ha sucedido en la Argentina con el campo y las industrias que lo acompañan. Más alimentos y mayores contribuciones a la producción de energía por generación de biodiésel y etanol, y estimulado todo, en lo esencial, por el mundo asiático -China, la India, Corea-, que no cesa de crecer.

¿Aprovecharán nuestras clases dirigentes esta oportunidad excepcional de la historia, como lo han hecho Brasil, Perú, Uruguay, Chile y Colombia? ¿O se alinearán, en cambio, detrás del modelo "bolivariano" de Hugo Chávez, paradigma del paternalismo decadente, que ha convertido a Venezuela en un ámbito natural para un Estado de Capricho en lugar de un Estado de Derecho, con inflación mundial récord -a menos que la Argentina se supere a sí misma en desatinos y pretenda arrebatarle el primer puesto-, con inseguridad física y jurídica galopantes, economía contrayéndose y cuatro tipos de cambio monetario, tan versátiles, claro, para el favoritismo y la corrupción?

Ha sido ésa una pregunta tan insoslayable en el encuentro como la puntualización de que, ya bien entrado el siglo XXI, América latina persiste, a pesar de todos los logros, en ser la región con la distribución del ingreso más injusto del planeta.

América latina, continente aún signado por el relato irónico y paradójico de su desenvolvimiento. Pocos lo resumen mejor que Julio Ortega, el crítico y profesor de letras de Brown University, de Rhode Island, otro de los asistentes a la reunión de Punta Cana. Ortega se entusiasma con la lección de lo que él llama la repetida historia del cacique antillano sentenciado a la hoguera. El cacique recibe, en la hora crucial, la oferta salvadora del bautismo, pero pregunta, demorando la aceptación, si habrá españoles en el cielo o en el infierno. Después de anoticiarse sobre cómo sería el asunto, el cacique decide condenarse, antes que volver a encontrar en otra parte a los que mandaban.

Es una metáfora apropiada para la anotación reflexiva de no pocos de nuestros políticos.


Paraguay “ABC”


Sección: Internacionales


Dilma deberá dar más vigor al Mercosur, dicen

SÃO PAULO (ANSA). La presidenta electa de Brasil, Dilma Rousseff, deberá imprimirle más vigor al fortalecimiento institucional del Mercosur y de la Unión Sudamericana de Naciones (Unasur) para aumentar, luego, la integración con América Central y el Caribe.

Lo afirmó ayer Marco Aurelio García, asesor de asuntos exteriores del mandatario saliente, Luiz Lula da Silva.

“Tanto el Mercosur como la Unasur tendrán que fortalecer sus instituciones para que podamos tener una política energética común, fortalecer la infraestructura, sobre todo en este escenario de crisis mundial”, dijo García durante un seminario en Flacso.

García, quien fue uno de los coordinadores de la campaña victoriosa de Rousseff, candidata del oficialista Partido de los Trabajadores (PT), evaluó que el gobierno de Lula avanzó “mucho en la integración continental, pero aún falta darle más institucionalidad al proceso”.

“América Latina y América del Sur en particular van a tener que estar muy articuladas para vencer las dificultades que el escenario mundial ofrece”, dijo García.

El gobierno de Rousseff, que se iniciará el 1 de enero, “deberá conversar con otros países para enfatizar esa cuestión”, dijo García.

En la cuenta regresiva para pasarle el cargo a su ahijada política, el mandatario Lula, adelantó García, buscará avanzar en el fortalecimiento de las instituciones de Unasur, en la cumbre de Guyana a fin de mes, y del Mercosur, en diciembre, en la reunión de Foz de Yguazú.

García fustigó la política brasileña anterior al gobierno de Lula hacia el Mercosur, por no haber logrado atraer a Chile. “Pero, lamentablemente, se cometió el error de tener una visión muy estricta en términos de tarifas sobre Chile”, dijo.

El asesor de Lula explicó que el paso siguiente a la consolidación de las instituciones de Mercosur y Unasur será fortalecer la integración con el resto de América Latina, mediante la recién creada Comunidad de Estados Latinoamericanos y Caribeños, surgida por iniciativa de Brasil.


Sección: Economía


Paraguay estrecha vínculos con la UE

El ministro de Hacienda, Dionisio Borda, se reunió este martes en Bruselas con el comisario del Comercio de la Comisión Europea, Karel de Gucht, con quien dialogó sobre el Mercosur y su relacionamiento con la Unión Europea en el contexto de la reanudación de las conversaciones sobre el acuerdo de libre comercio entre ambas regiones.

Borda comentó que Gucht puso énfasis en la importancia de la presidencia pro Témpore paraguaya y en los temas clave que encaminarán las gestiones para la concreción del acuerdo comercial entre ambas regiones.

La Comisión Europea manifestó su interés de ir profundizando el relacionamiento con el Paraguay mediante la dinamización de la inversión y el desarrollo del sector privado, además de la cooperación técnica y financiera que se viene ejecutando actualmente, subrayó.

Eventos confirmados

Asimismo, en prosecución de la conversación sostenida en Madrid con motivo de la reunión de la Unión Europea-Mercosur, se concretó la realización de los siguientes eventos: Seminario internacional con expertos europeos a llevarse a cabo en Asunción en el mes de marzo de 2011, un seminario de EuroSocial con la participación de los diferentes países de América Latina para tratar sobre la estructura y administración tributaria y una campaña de concienciación fiscal en Paraguay.

Con autoridad aduanera

Por otro lado, siempre en el marco de su visita por Bélgica, Borda se reunió con Philip Kermode, director general de Impuestos y Aduanas de la Comisión Europea. En la ocasión, el ministro expuso sobre la situación de la economía y sobre las principales características del sistema impositivo paraguayo. Mientras que Kermode compartió su vasta experiencia en los temas que hacen al sistema y la administración tributaria de los países miembros de la Comunidad Europea.


“La Nacion”


Sección: Negócios


Ciudad del Este es toda una leyenda en América del Sur
Atrae a comerciantes de todo el mundo, cineastas e incluso servicios de inteligencia extranjeros.

CIUDAD DEL ESTE, (AFP).- Ciudad del Este tiene 53 años, pero ya es una leyenda en América del Sur: esta zona franca paraguaya en la triple frontera con Argentina y Brasil atrae a comerciantes de todo el planeta, cineastas e incluso servicios de inteligencia extranjeros.

“Si buscas un elefante, lo encontrarás en Ciudad del Este”, dicen orgullosos sus habitantes. Desde el alba, la ciudad que parece una enorme bazar árabe rebosa de compradores, vendedores y turistas, que desembalan y vuelven a embalar productos importados, televisores, cámaras, perfumes, bolsos, de los cuales muchos son copias.

Comerciantes del mundo entero llegaron a hacer fortuna aquí, en esta zona estratégica llamada “triple frontera”.

Sobre gigantescos afiches, los eslóganes se leen en chino, coreano, hindú, urdu. Ciudad del Este tiene un sobrenombre bien ganado: “La ciudad de las 70 etnias”, de las cuales la más importante es la comunidad árabe, que allí tiene una de sus mayores concentraciones de América del Sur.

“COMO UN MISTERIO”

“Para los brasileños en especial, es como si fuera un misterio, la gente tiene ganas de conocer, pero también vienen mucho para comprar (aparatos) electrónicos”, asegura un turista brasileño.

A diario, miles atraviesan el puente internacional hacia Ciudad del Este, sobre el río Paraná, para comprar productos más baratos.

Ese comercio convirtió a Ciudad del Este en la segunda urbe paraguaya, con 300.000 habitantes, y en el pulmón económico de Paraguay, uno de los países más pobres de América del Sur.

Pero Brasil, el rico y gigantesco vecino, ve ese éxito como una amenaza para su industria y reforzó los controles fronterizos. Para los turistas, Brasil limitó algunas compras a 150 dólares por persona y por mes.

Los brasileños “tienen sus industrias muy fuertes y estas industrias son muy poderosas y son los que trabajan para asfixiar este polo de Ciudad del Este. Creo que tienen que observarse primero ellos por casa, para ver si están colaborando realmente con los países vecinos y mucho más pobres”, estimó la alcaldesa de Ciudad del Este, Sandra McLeod.

Brasil intentó legalizar ese comercio, cobrando impuestos a los 'sacoleiros', pero la ley jamás fue aplicada, y las tensiones se mantienen entre ambos países. La reputación que opaca a la ciudad, acusada de ser sede de tráfico de todo tipo, superó las fronteras paraguayas.

Ciudad del Este ha sido acusada de albergar “células terroristas dormidas” y de financiar grupos islamistas, después de los atentados de Buenos Aires contra la embajada de Israel en 1992 y la sede de la mutual judía argentina AMIA en 1994, que dejaron 114 muertos.


Sección: Política


Confirman que Lugo viajará a Cumbres de Unasur y Mercosur
Ayer, el doctor Boccia confirmó que se le levantaron las restricciones debido a que sus defensas se normalizaron.

Tras un largo reposo, los médicos levantaron ayer la restricción al presidente Fernando Lugo. Fue luego de conocerse los resultados de los análisis que revelaron que sus defensas están normales. Apenas recuperado, el mandatario ya prepara maletas para viajar a la ciudad de Georgetown, Guyana, para participar de la Cumbre de Unasur (Unión de Naciones Suramericanas), los días 25 y 26 de noviembre. También confirmó su presencia en la Cumbre del Mercosur, que se celebrará el 17 de diciembre en Foz de Yguazú, Brasil.

Cabe recordar que el Presidente también debe viajar a San Pablo, Brasil, para realizarse su última sesión de quimioterapia, en el Hospital Sirio Libanés, de esa ciudad.

El doctor Alfredo Boccia, quien ayer estuvo en la residencia presidencial, indicó que el jefe de Estado está en condiciones de viajar al extranjero. Esto teniendo en cuenta que la próxima semana inicia un periplo por varios países, cumpliendo una agenda oficial.

“Empezó a subir sus defensas con lo cual mañana (por hoy) probablemente vaya a actividades normales y se encuentra bien. El Presidente está en condiciones de viajar y si Dios quiere creo que ya no habrá problemas hasta la próxima quimioterapia”, señaló.

A las 9:40, una enfermera ingresó a Mburuvicha Róga para tomar la muestra de sangre al gobernante. Y al mediodía el propio Boccia fue a comunicarle el resultado del análisis y a la vez decirle que está habilitado para cumplir sin restricción alguna sus funciones. El pasado viernes se había informado que el titular del Poder Ejecutivo iba a cumplir un estricto reposo, para evitar algún tipo de complicaciones, ya que se lo notaba bastante cansado.

Compromisos

A la tarde, la Dirección de Comunicación de la Presidencia confirmó que el presidente Lugo asistirá a dos Cumbres de Mandatarios. La primera que se desarrollará los días 25 y 26 de noviembre en Georgetown, Guyana, convocada por la Unasur, y la segunda prevista para el 17 de diciembre en Foz de Yguazú, Brasil, donde se desarrollará la XL Cumbre de Presidentes del Mercosur y países asociados. En esta ocasión se prevé una reunión bilateral entre Lugo y la presidenta electa de Brasil, Dilma Rousseff.

O Mercosulino 16/11/2010 -www.camara.gov.br/representacaomercosul

Jornal ‘Valor Econômico”


Caderno: Brasil


Argentina deve receber US$ 5 bi de investimentos brasileiros
Daniel Rittner | De Buenos Aires

Além de gerar uma corrente de comércio recorde entre os dois países, a expansão da economia acelera os investimentos do Brasil na Argentina. Nos próximos dois anos, o país receberá cerca de US$ 5 bilhões em investimentos brasileiros - quase metade do estoque de US$ 11 bilhões aplicado desde 2002, segundo o embaixador do Brasil na Argentina, Ênio Cordeiro.

Os maiores destaques são a Vale, que pretende dedicar mais de US$ 4 bilhões ao projeto de exploração de cloreto de potássio na Província de Mendoza, e o Banco do Brasil, que já gastou US$ 480 milhões na aquisição do Patagônia, em abril, mas ainda fará oferta de compra de ações a acionistas minoritários.

Esses dados foram apresentados ontem na abertura do seminário Investimentos Industriais entre Brasil e Argentina. Cordeiro comemorou o fato de que, até o fim de setembro, o fluxo bilateral de comércio superou o registrado em todo o ano passado. Em 2010, a expectativa é de que fique entre US$ 33 bilhões e US$ 34 bilhões.

"O comércio bilateral está em um nível recorde e 80% do intercâmbio é intraindustrial", disse a ministra da Indústria, Débora Giorgi. "Os investimentos bilaterais mostram um crescimento sustentado", completou. No entanto, estudo do ex-secretário de Indústria e consultor Dante Sica que analisa 3.259 linhas tarifárias constatou que as empresas brasileiras estão com a participação de mercado "consolidada" ou "estável" em 80% delas.

Já o cenário para o aumento da presença industrial brasileira é promissor. De 1998 até hoje, segundo Sica, o número de empresas no país subiu de 63 para 280. Em 2010 36% do investimento direto estrangeiro na Argentina tem origem brasileira. Mas há participação crescente dos setores de mineração e de serviços onde antes predominava a indústria, disse.


Caderno: Internacional


Argentina vai reestruturar dívida com o Clube de Paris
Daniel Rittner | De Buenos Aires

Sem intermediação do Fundo Monetário Internacional (FMI), o governo argentino anunciou ontem à noite a abertura de negociações formais com o Clube de Paris para pagar uma dívida de US$ 7,7 bilhões, considerada o último passo para sair definitivamente da moratória em vigência desde 2002. A presidente Cristina Kirchner ocupou onze minutos de rede nacional de rádio e televisão para informar que o Clube de Paris, instituição informal integrada por 19 países desenvolvidos, aceitou a exigência de negociar sem o FMI.

Com uma mensagem gravada horas antes, no gabinete presidencial, Cristina usou um tom emotivo e fortemente político ao fazer o anúncio. Referiu-se duas vezes ao marido e ex-presidente Néstor Kirchner, morto há 20 dias. Na primeira delas, quase chorou quando contou ter recebido condolências do presidente da China, Hu Jintao, durante a cúpula do G-20, em Seul.

Cristina não explicou como será a negociação nem estimou um prazo para o pagamento. Em contatos informais com o Clube de Paris, a Argentina ofereceu quitar a dívida em três anos, em parcelas semestrais. Alemanha e Japão - os maiores credores da Argentina - resistiam em tentar um acordo sem a supervisão do FMI, mas acabaram seguindo a posição mais flexível dos EUA de deixar o G-20 como supervisor das tratativas. O único precedente de ausência do FMI havia sido o da Indonésia, após o tsunami de 2004, com dívida de US$ 2,7 bilhões.

A presidente disse que a dívida com os credores oficiais reunidos no Clube de Paris será feita com "prazos de pagamento que permitam sustentar o crescimento econômico com desenvolvimento social". Para ela, um acordo será "beneficioso para ambos". Cristina deu sinais de que tentará, nas negociações, abater parte da dívida com financiamentos concedidos pelo governo argentino à expansão de multinacionais com subsidiárias no país. Ela já havia defendido isso em reunião com a primeira-ministra da Alemanha, Angela Merkel, em outubro.

O anúncio deve ajudar a abrir as portas do mercado financeiro à Argentina. A Bolsa de Buenos Aires registrou 12 recordes consecutivos, na primeira quinzena de novembro, e o risco-país recuou a níveis anteriores aos de março de 2008 - quando produtores rurais entraram em conflito com o governo. Isso permitiu a quatro empresas argentinas (YPF, Arcor, Edenor e Santander Río) captar US$ 750 milhões nas últimas duas semanas, a taxas de juros de um dígito.


Jornal “O Estado de S. Paulo”


Notas & Informações


Integração com o México

Pouco mais de um ano depois de os presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Felipe Calderón terem anunciado, em Brasília, a decisão de instruir suas equipes a "explorar todas as opções que permitam ampliar o comércio e o investimento, incluindo a possível negociação de um acordo de livre comércio", Brasil e México começam a negociar para valer um acordo amplo de integração econômica.

As notas distribuídas simultaneamente pelos dois governos, confirmando o início formal das negociações, não fixam cronogramas das reuniões nem prazos para a conclusão das discussões. Mas o secretário de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Welber Barral, que tem chefiado a equipe brasileira nos entendimentos com o governo mexicano, espera que o acordo possa ser assinado em 2012.

"Ou Brasil e México, que são as grandes economias da América Latina, conseguem fazer um processo de integração industrial que mantenha escala de produção na região, ou nossas indústrias migrarão para outros países, para outras regiões do mundo, para a Ásia fundamentalmente", advertiu Barral em entrevista.

O "acordo estratégico de integração econômica" - como é chamado pelos governos do Brasil e do México e que vem sendo discutido desde o encontro entre os dois presidentes em agosto do ano passado - deverá reduzir tarifas comerciais e estabelecer regras de proteção dos investimentos e da propriedade intelectual.

Depois de seis reuniões entre delegações dos dois governos, ficou acertado que o acordo será amplo e, além de redução de tarifas, incluirá também temas como serviços e preferência para as empresas dos dois países nas compras governamentais. A cobertura do acordo será integral, abrangendo "todos os produtos, serviços e demais temas comerciais", como informam os dois governos. O objetivo é assegurar acesso aos mercados, com a solução rápida de problemas que surgirem. Será criado um mecanismo que contribuirá para a segurança jurídica e para a previsibilidade dos negócios.

Um item do comunicado de especial interesse dos empresários mexicanos assegura que "serão reconhecidas as sensibilidades de ambos os países e será outorgado tratamento especial aos setores vulneráveis".

Reivindicado por empresários brasileiros - que, no ano passado, entregaram aos dois presidentes documentos defendendo maior abertura comercial e maior integração econômica entre Brasil e México -, um acordo comercial e econômico amplo não era bem visto pelos mexicanos. Calderón admitiu, na ocasião, que "resistências ideológicas, preconceituosas e de desconhecimento" em seu país dificultavam as negociações. Mas a crise internacional, que afetou muito mais a economia mexicana - estreitamente vinculada à dos Estados Unidos, da qual se tornou dependente demais - do que a brasileira, ao mostrar ao empresariado mexicano as oportunidades de negócios em outros países, pode ter reduzido suas resistências.

Desde agosto de 2002, o Brasil tem com o México um acordo de redução de tarifas para cerca de 800 itens, entre eles automóveis. Acordos bilaterais com o México são os únicos permitidos aos países do Mercosul, graças a um acordo-quadro assinado em 5 de julho de 2002, entre o bloco comercial do Cone Sul e o país norte-americano, que estabelece as bases para a futura criação de área de livre comércio entre as duas partes.

Muito pouco se avançou nessa direção, e é provável que nem o agora anunciado "acordo estratégico" resulte em área de livre comércio, sobretudo por causa da resistência do empresariado mexicano. O México já firmou acordos desse tipo com 44 países, mas as empresas locais não se consideram beneficiadas com isso. Ao contrário, reclamam da concorrência que passaram a enfrentar.

Mesmo que não chegue a esse ponto de integração, o acordo entre Brasil e México será benéfico para os dois lados. Atualmente, os negócios com o México representam 5% do comércio total do Brasil. Com o acordo, podem chegar a 10% em quatro anos.


Caderno: Economia


Brasil é o mercado que mais cresce para UE
Importações de produtos europeus cresceram 54% este ano, aumentando a possibilidade de o Brasil deixar de ter superávit comercial com a Europa
Jamil Chade

Em 2010, o Brasil foi a economia que registrou a maior expansão de importação de produtos europeus em todo o mundo. O crescimento das vendas europeias ao Brasil foi de 54% de janeiro a agosto deste ano, o que já coloca dúvidas sobre a capacidade de a economia brasileira manter seu tradicional superávit com a Europa nos próximos anos.

Dados divulgados ontem pela Comissão Europeia indicaram que, de janeiro a agosto de 2010, a balança comercial da UE com o Brasil havia sido zerada e que o superávit que o País mantinha com a Europa há anos desapareceu, algo que não ocorria há onze anos.

O real forte e a demanda interna brasileira em expansão são os principais motivos, ainda que a UE insista que o governo brasileiro tenha ampliado as barreiras comerciais nos últimos meses. Para a diplomacia brasileira, os número de ontem são a melhor resposta às acusações que o País mantém seu mercado fechado.

Os dados do governo brasileiro são um pouco diferentes e ainda mostram um superávit para o Brasil em relação à Europa. Os dados incluem setembro, o que não foi ainda publicado pelos europeus. No acumulado de janeiro a setembro deste ano, o Brasil exportou para a União Europeia US$ 30,7 bilhões e importou US$ 28,6 bilhões. O superávit é de US$ 2,1 bilhões. Em 2009, porém, o superávit brasileiro foi de US$ 4,3 bilhões.

A última vez que os dados comerciais apontaram uma vantagem para a Europa foi em 1999, quando o Brasil mantinha um moeda sobrevalorizada. Naquele ano, os europeus tiveram um superávit mínimo, de 324 milhões. Nos anos seguintes e principalmente diante da desvalorização do real, o Brasil voltou a apresentar superávit. Em 2007, o País havia registrado um saldo positivo de 11,5 bilhões.

Em 2009, o volume a favor do Brasil já havia caído para 4 bilhões. Até agosto deste ano, porém, os europeus insistem que saldo positivo brasileiro deixou de existir.

"Ainda não podemos prever como será o fim do ano. Mas tudo indica que, se o Brasil tiver um superávit, ele será pequeno", afirmou Gilberto Gambini, especialista em estatísticas da UE. Até o fim de agosto, o Brasil havia exportado para a Europa 20,6 bilhões. Até o mesmo período, o volume de importação era o mesmo.

Estados Unidos. O mercado americano continua sendo o maior destino de produtos europeus, com 155 bilhões em exportações até o fim de agosto.

Mas a expansão em comparação a 2009 foi de apenas 15%. Para China, a alta das vendas europeias foi de 39%, do total de 72 bilhões. Mas foram as vendas ao Brasil que registraram o maior aumento, passando de 13,3 bilhões nos oito primeiros meses de 2009 para 20,6 bilhões em 2010. A expansão colocou o Brasil à frente da Coreia do Sul entre os maiores parceiros europeus, exatamente o país com o qual Bruxelas assinou neste ano um acordo comercial.

A expansão das exportações europeias ao Brasil apresentou uma taxa duas vezes superior à média do aumento das vendas da UE ao mundo, de 22%.

Diante do crescimento das importações à economia brasileira, o País aparece como nono maior destino das vendas da UE no mundo. O Brasil ainda se aproxima das taxas registradas pela Índia, que importou da UE mais de 22 bilhões.

Já as exportações brasileiras para a Europa não conseguiram acompanhar o mesmo ritmo de crescimento das importações. O volume passou de 17 bilhões entre janeiro e agosto de 2009 para 20,6 bilhões neste ano, uma alta de 21%. O resultado, portanto, foi o fim do superávit, pelo menos até aquele mês. Em 2009, o saldo favorável ao Brasil havia sido de 3,7 bilhões.

Com os demais países emergentes, a UE ampliou seu déficit. No caso da China, o saldo favorável a Pequim passou de 85 bilhões em 2009 para mais de 103 bilhões em 2010. Com a Rússia, o buraco nas contas europeias passou de 29,3 bilhões no ano passado para 47 bilhões neste ano. No total, o déficit europeu chega a 11,7 bilhões com o mundo, acima dos 10,5 bilhões negativo em 2009. No setor de manufaturados, o superávit é ainda amplo, com 167 bilhões a favor dos europeus.


Brasileiros investem US$ 5 bi no país vizinho
Da quantia a ser investida nos próximos dois anos por empresas brasileiras na Argentina, mais de 80% serão da Vale
Ariel Palacios

Os investimentos das 160 empresas brasileiras instaladas na Argentina chegarão à faixa de US$ 5 bilhões nos próximos dois anos. Desses, US$ 4,1 bilhões correspondem a investimentos que a Vale do Rio Doce realizará no país. O anúncio foi feito ontem pelo embaixador brasileiro Enio Cordeiro e a ministra da Indústria da Argentina, Debora Giorgi, durante a Nona Jornada Jurídico Empresarial Brasil-Argentina, realizada na Embaixada do Brasil. Segundo Cordeiro, o total dos investimentos do Brasil na Argentina alcançam atualmente mais de US$ 11 bilhões.

"Não é um caminho de uma única via. Ao contrário, é de mão dupla", disse o diplomata, ao destacar que os investimentos de empresas argentinas no Brasil foram de US$ 4 bilhões ao longo dos últimos oito anos. "As empresas argentinas investiram no Brasil em setores tão diversos como a indústria eólica, agropecuária e siderúrgica, entre outros".

A ministra Debora Giorgi, autora de diversas medidas protecionistas que barraram a entrada de produtos "made in Brazil" nos últimos dois anos, exaltou a integração comercial. Giorgi deixou de lado temporariamente os alertas sobre a denominada "assimetria" entre ambas economias para declarar-se entusiasmada com a promessa de aumento do comércio bilateral, já que ambas economias "cresceriam ao redor de 7% no ano que vem".

O ex-secretário de Indústria Dante Sica, diretor da consultoria Abeceb, afirmou que, das 160 empresas brasileiras instaladas na Argentina, 107 anunciaram investimentos entre 2002 e 2010 pelo valor de US$ 11,765 bilhões.

Segundo Sica, a província de Buenos Aires, a maior do país, concentra 34% dos investimentos brasileiros. Outros 8% estão na província de Córdoba. Neuquén recebeu 8% dos investimentos provenientes do Brasil.

O secretário da Indústria da Argentina, Eduardo Bianchi, ressaltou que "o Brasil transformou-se no primeiro investidor estrangeiro na Argentina". Cordeiro afirmou que a integração comercial argentino-brasileira vai de vento em popa.

Sustentou que, antes do início do Mercosul, em 1994, o intercâmbio comercial entre os dois países era de US$ 3 bilhões. "Em 2008, chegou a US$ 32 bilhões. E neste ano estaria entre os US$ 30 bilhões e os US$ 33 bilhões."

Segundo o diplomata, só entre janeiro e setembro deste ano o total de intercâmbio bilateral equivale ao volume registrado em todo 2009.


Jornal “O Globo”


Caderno: Economia


Mercosul fecha acordo com sete países para reduzir tarifas em 20%
Tratado será assinado dia 15 de dezembro, na reunião de cúpula do bloco
Eliane Oliveira

BRASÍLIA. O Brasil encerrará a presidência pro tempore do Mercosul assinando um acordo de preferências tarifárias com sete países em desenvolvimento: Índia, Indonésia, Coreia do Sul, Malásia, Egito, Marrocos e Cuba. O tratado poderá ser ainda mais amplo, tendo em vista que estão pendentes, no momento, a adesão da Argélia e do Irã.

As negociações foram fechadas quinta-feira passada, em reunião na sede da Organização Mundial do Comércio (OMC). em Genebra. O documento será assinado em 15 de dezembro, na reunião de cúpula de presidentes do bloco, em Foz do Iguaçu. De forma geral, haverá uma redução de 20% nas tarifas de 70% dos itens comercializados.

Exportações do Brasil para a Coreia devem aumentar

A Índia importou, nos nove primeiros meses de 2010, US$2,775 bilhões do Brasil. Os indianos são aliados em blocos políticos e econômicos, como o Bric (Brasil, Rússia, Índia e China) e o G-4, composto por Brasil, Índia, Japão e Alemanha (que brigam por uma vaga permanente no Conselho de Segurança das Nações Unidas).

As exportações para a Coreia somaram US$3 bilhões e devem aumentar, se for atingida a meta de aproximação do Brasil com os asiáticos. Os coreanos vêm ganhando cada vez mais mercado no Brasil, vendendo seus automóveis.

No caso do Egito, o país é, junto com a Jordânia, um dos aliados dos EUA no Oriente Médio, região onde o presidente Luiz Inácio Lula da Silva sempre quis que o Brasil tivesse uma influência maior.


Vendas recordes para a Argentina
Investimento brasileiro no país vizinho chega a US$5 bi
A MINISTRA Débora Giorgi comemora aumento no intercâmbio de produtos industriais
Janaína Figueiredo

BUENOS AIRES. Este ano o comércio bilateral entre Brasil e Argentina deverá bater um novo recorde, alcançando US$34 bilhões (superando em 10% o recorde anterior, de 2008), informou ontem a ministra da Indústria do governo argentino, Débora Giorgi. Em palestra na embaixada brasileira em Buenos Aires, Débora afirmou, ainda, que nos últimos dois anos os investimentos brasileiros na Argentina atingiram US$5 bilhões, graças ao "processo de integração produtiva que está sendo desenvolvido por ambos os países".

- Brasil e Argentina são observados no mundo como uma região digna de receber os melhores investimentos - disse a ministra.

Para o governo argentino, o crescimento do comércio bilateral é uma boa notícia, embora entre janeiro e outubro o país tenha acumulado um déficit com o Brasil estimado por analistas privados em US$2,9 bilhões, um aumento de 396% em relação ao mesmo período de 2009.

- O comércio bilateral está vivendo um novo recorde: cerca de 80% do intercâmbio são de produtos industriais - disse a ministra.

De acordo com a empresa de consultoria Abeceb.com, criada pelo ex-secretário da Indústria argentino Dante Sica, que também participou do evento organizado pelo embaixador brasileiro Enio Cordeiro, a Argentina fechará o ano com um déficit comercial com o Brasil em torno de US$3 bilhões.

Segundo dados da Abeceb.com, as exportações brasileiras para a Argentina alcançaram US$1,654 bilhão em outubro passado, crescendo 26% em relação ao mesmo mês de 2009. Já as vendas argentinas para o Brasil chegaram a US$1,175 bilhão, o que representa um aumento de apenas 6,7% na mesma comparação. Na visão de Débora, o aumento do comércio bilateral foi possível graças à "valorização dos investimentos, um tipo de câmbio competitivo, uma política que castiga a entrada de capitais especulativos, uma política de desendividamento, à acumulação de reservas e aos superávits de ambos os países".

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

O Mercosulino 12/11/2010 -www.camara.gov.br/representacaomercosul

Jornal da Câmara


Caderno: Geral


Plenário - Deputados aprovam 12 projetos de decreto legislativo

A Câmara aprovou na quinta-feira (11) 12 propostas de acordos internacionais, que serão agora analisadas pelo Senado. Entre elas, está o Projeto de Decreto Legislativo (PDC) 2075/09, que ratifica o texto do acordo firmado entre Brasil e Alemanha sobre cooperação financeira no “Programa de Crédito Energias Renováveis”, assinado em 2008.

Pelo programa, o governo alemão deverá facilitar a obtenção de créditos pelo governo brasileiro junto ao banco Kreditanstalt fur Wiederaufbau (KfW) no valor de até 52 milhões de euros (cerca de R$ 122,2 milhões). O programa financiará, em parceria com o BNDES, pequenas usinas hidrelétricas que contribuirão para a geração de energia renovável.

Educação - Também foi aprovado o PDC 2403/10, que aprova o Acordo sobre a Criação e a Implementação de um Sistema de Credenciamento de Cursos de Graduação para o Reconhecimento Regional da Qualidade Acadêmica dos Respectivos Diplomas no Mercosul e Estados Associados, adotado em San Miguel de Tucumán, em 30 de junho de 2008. Entre outros dispositivos, a proposta pretende criar um sistema de credenciamento que facilite a movimentação de pessoas entre os países que integram o bloco econômico (Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai) e sirva de apoio para a instalação de outros mecanismos regionais de reconhecimento de títulos ou diplomas universitários.

Confira os outros decretos analisados

n PDC 498/08, que contém o Protocolo Adicional ao Acordo-Quadro sobre Meio Ambiente do Mercosul em Matéria de Cooperação e Assistência em Emergências Ambientais.

n PDC 1790/09, sobre o texto do Acordo entre o Brasil e Trinidad e Tobago para Evitar a Dupla Tributação e Prevenir a Evasão Fiscal em Matéria de Impostos sobre a Renda e para Incentivar o Comércio e o Investimento Bilaterais.

n PDC 2128/09, sobre o Acordo de Cooperação Científica e Tecnológica entre Brasil e Vietnã, celebrado em 2008.

n PDC 2133/09, sobre o Acordo de Cooperação Científica e Tecnológica entre Brasil e Jordânia, celebrado em 2008;

n PDC 2350/09, sobre o Acordo de Cooperação Educacional entre Brasil e Botsuana, celebrado em 2009.

n PDC 2402/10, sobre o Primeiro Protocolo Adicional ao Acordo de Alcance Parcial Agropecuário nº 3, que protocoliza o Acordo de Constituição do Comitê Veterninário Permanente do Cone Sul ao Amparo do Tratado de Montevidéu de 1980, assinado entre Argentina, Brasil, Paraguai, Uruguai, Bolívia e Chile.

n PDC 2404/10, sobre o Acordo de Serviços Aéreos entre Brasil e Uruguai, celebrado em 2009.

n PDC 2438/10, que aprova, com ressalvas, o texto da Convenção sobre a Obtenção de Provas no Estrangeiro em Matéria Civil ou Comercial, assinada em 1970.

n PDC 2487/10, sobre o Acordo de Cooperação Cultural entre o Brasil e Uzbequistão, assinado em 2009.

n PDC 2819/10, sobre o Acordo entre Brasil e Itália sobre Cooperação em Defesa, assinado em 2008.


Jornal “Valor Econômico”


Opinião


Não conte com governança mundial
A ausência de instituições mundiais retardou a recuperação global.
Dani Rodrik

Todos concordam que a economia mundial está enferma, mas o diagnóstico, aparentemente, depende de em que canto do mundo você por acaso vive.

Em Washington, dedos acusadores apontam para a China, culpando sua política monetária de causar grandes desequilíbrios comerciais e de destruir empregos nos EUA. Se for a Seul ou Brasília, você ouvirá queixas sobre as políticas monetárias hiperexpansionistas do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) que estão deixando os mercados emergentes inundados de capital especulativo tendentes a criar o espectro de bolhas de ativos. Pergunte em Berlim e ouvirá um longo discurso sobre a ausência de sensatez fiscal e reformas estruturais no resto da Europa ou nos EUA.

A culpa, caro Brutus, não está nas estrelas nem em nós mesmos. Graças à globalização, está em nossos parceiros comerciais!

Por mais autocentrada que possa parecer, essa visão não é desprovida de mérito. À medida que as economias vão se interrelacionando, as decisões tomadas numa parte do mundo repercutem em outras, muitas vezes produzindo consequências inesperadas. A crise americana rapidamente transformou-se numa crise mundial graças ao entrelaçamento de balanços patrimoniais interjurisdições.

A ausência de instituições mundiais - atuando como emprestadoras de última instância ou proporcionando estímulo fiscal coordenado - agravou a crise e retardou a recuperação. E agora, políticas fiscais, monetárias e cambiais individualistas do tipo salve-se quem puder estão cruzando fronteiras nacionais, criando riscos de guerras e protecionismo.

Como lidar com esses desafios é a maior questão econômica de nosso tempo. Uma das abordagens, defendida por tecnocratas e pela maioria dos políticos - pelo menos até a intrusão de exigências de política interna - está em buscar consolo em governança mundial cada vez maior. Os problemas mundiais, afinal de contas, necessitam soluções mundiais, o que implica fortalecer organizações internacionais como o Fundo Monetário Internacional, intensificando a eficácia dos fóruns mundiais, como o G-20, e negociar códigos e normas internacionais mais rigorosos.

Outra abordagem fundamenta-se no reconhecimento de que a governança mundial tenderá a permanecer incompleta e na moderação dos efeitos secundários mediante uma forma mais cautelosa de globalização econômica. Essa estratégia implica jogar um pouco de areia nas engrenagens da economia mundial a fim de ampliar espaços para a política doméstica e limitar o impacto do contágio adverso das ações de outros países. Essa opção pode parecer protecionista, mas poderia, finalmente, assegurar uma globalização mais duradoura.

A Rodada Uruguai da Organização Mundial do Comércio (OMC) foi amplamente saudada como uma grande conquista, pois submeteu subsídios e muitos outros tipos de políticas industriais praticadas pelos países em desenvolvimento a rigorosa disciplina internacional. Mas as restrições da OMC simplesmente levaram os governos a perseguir objetivos semelhantes por outros meios.

Analogamente, quando os mercados emergentes se abriram para a globalização financeira, julgaram que os fluxos de capital facilitariam seu desenvolvimento econômico. Os emergentes pensavam que políticas macroeconômicas adequadas e regulamentação prudencial, com o apoio de instituições financeiras internacionais, os ajudariam a lidar com quaisquer efeitos adversos. Mas os mercados financeiros tornaram-se amigos nas horas boas e ausentes quando mais necessários. Isso obrigou os países em desenvolvimento a experimentar tentativas onerosas para proteger suas economias da inconstância dos mercados financeiros. Ainda pior, tiveram de adotar estratégias - como intervenções no mercado cambial e acumulação de reservas cambiais - que exportam instabilidade financeira para outros países. Teria sido melhor evitar tudo isso, exercendo maior cautela na abertura aos fluxos financeiros internacionais, em primeiro lugar.

Os economistas ensinam as virtudes do livre comércio porque nos beneficia - e não porque beneficia outros. A exposição de uma economia nacional aos mercados mundiais - diferentemente de limitar as emissões nacionais de poluentes - produz suas próprias recompensas. Uma economia mundial constituida por países que defendem seus próprios interesses nacionais não será, possivelmente, hiperglobalizada, mas será, em larga medida, uma economia aberta.

Sem dúvida, a economia mundial necessita algumas regras de tráfego que explicitem as implicações de contaminação internacional. Mas o equilíbrio entre prerrogativas nacionais e regras internacionais deve assumir as realidades políticas como uma virtude. Se nos desviarmos demasiadamente para uma governança mundial, acabaremos criando regras sem sentido que constituirão um convite a serem dribladas.

Dani Rodrik é professor de Economia Política na Escola de Governo John F. Kennedy da Universidade de Harvard, e autor de One Economics, Many Recipes: Globalization, Institutions, and Economic Growth. (Uma economia, muitas receitas: globalização, instituições e crescimento econômico).


Caderno: Internacional


Lula defende Doha, mas não entusiasma líderes
De Seul
Lalo de Almeida/Folhapress

Lula observa Mantega falando em Seul: presidente tentou ser mais otimista que ministro, que havia falado em fim de DohaO G-20, que junta as maiores economias do planeta, defenderá hoje que os países intensifiquem negociações em 2011 para tentar concluir a Rodada Doha de liberalização comercial.

A mensagem foi duramente negociada, porque os EUA insistem que só aceitam acordo se o pacote for reaberto para obter mais vantagens para suas exportações para os países emergentes. Brasil e Índia não aceitam pagar mais sem receber em troca.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva aproveitou o jantar dos líderes, ontem, na abertura da cúpula para defender a conclusão da negociação global. Isso um dia depois de seu ministro da Fazenda brasileiro, Guido Mantega, ter excluído as chances de acordo num futuro previsível, diante da posição americana, numa avaliação que não está distante da realidade.

O apelo de Lula não causou entusiasmo entre os líderes, embora se saiba que o único realmente contrário à conclusão da rodada, pelo menos nos termos atuais, seja o americano Barack Obama.

Para se ter uma ideia da dificuldade americana de negociar, o país não conseguiu esta semana fechar sequer um acordo com a Coreia do Sul, que já estava praticamente fechado havia meses.

O texto que os líderes do G-20 vão endossar hoje instrui seus negociadores a tentar acelerar as barganhas.

"Agora devemos concluir o 'end game' ", diz o documento final, ao qual o Valor teve acesso.

"Depois do resultado alcançado, nos comprometemos a buscar ratificação onde necessário, em nossos respectivos sistemas", diz o texto.

Os líderes do G-20 também vão reiterar o compromisso de resistir ao protecionismo comercial - algo que na prática vem sendo ligeiramente desrespeitado pelos países. (AM)


Jornal ‘O Estado de S. Paulo”


Caderno: Economia


Paraguai faz ofensiva para atrair empresas
País vizinho oferece pacote de incentivo fiscal para instalação de fábricas. Linha de transmissão financiada pelo Brasil vai garantir a energia.
Raquel Landim

Uma comitiva do Paraguai desembarcou ontem em São Paulo com a missão de convencer os empresários brasileiros a investir em seu território. As autoridades paraguaias trouxeram na "manga" uma série de vantagens para atrair o setor privado, como isenções fiscais, baixo custo de mão de obra e energia barata.

Os paraguaios se reuniram com um grupo de executivos na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). Segundo a entidade, estavam presentes na reunião representantes da cimenteira Loma Negra, da trading de soja Bunge, do fundo de Cingapura Temasek, além de empresas de engenharia e logística.

Os alvos do Paraguai são empresas intensivas em energia ou relacionadas ao agronegócio. "O Paraguai é um dos países com mais energia livre do mundo", disse o vice-ministro de relações econômicas Manuel Cacéres.

Não é de hoje que os paraguaios tentam atrair empresas, mas um dos problemas é o suprimento instável de energia, provocado pela falta de infraestrutura. O país é sócio de Itaipu, mas utiliza apenas 5% da energia da hidrelétrica. O restante é vendido para o Brasil, um conflito constante entre os dois países.

O esforço paraguaio de industrialização ganhou impulso com a construção de uma linha de transmissão de energia de 500 quilowatts, que vai unir Itaipu com Villa Hayes, cidade próxima de Assunção. A linha vai custar US$ 400 milhões e será financiada pelo Fundo de Convergência Estrutural do Mercosul (Focem). O Brasil é o principal fornecedor de verbas do Focem.

Segundo Gustavo Codas, diretor-geral paraguaio de Itaipu, as condições para a licitação da linha devem ser divulgadas nos próximos 20 dias. A obra deve ser concluída até 2013. Com essa perspectiva, o Paraguai montou uma estratégia de atração de investimentos.

Benefícios. Por conta do diferencial de impostos, o país vizinho garante que pode vender energia mais barato que o Brasil. A carga tributária é de 37% no Brasil e 12% no Paraguai.

Segundo os cálculos do governo paraguaio, um funcionário custa 49% mais no Brasil que no Paraguai. O país vizinho conta ainda com três pacotes de incentivos fiscais: lei de incentivo a investimentos, lei de montadoras de exportação e Zona Franca. Com algumas diferenças, todos preveem imposto de importação zero para a compra de insumos e máquinas.

Algumas empresas começam a investir no Paraguai. A Camargo Correa está construindo uma fábrica de cimento em Villa Hayes, onde será a nova subestação. O investimento de US$ 100 milhões é o maior realizado pelo Brasil no Paraguai. Segundo Cáceres, a Coteminas também estuda instalar uma fábrica no país. A empresa não retornou as ligações da reportagem.


Jornal ‘O Globo”


Opinião


Dilma e Cristina
Rogério Furquim Werneck

O primeiro grande desafio da política macroeconômica da presidente Dilma Rousseff será a restauração da credibilidade da política fiscal. Não se trata apenas de reverter o quadro de deterioração fiscal que se instalou nos últimos dois anos. É especialmente importante que o governo se comprometa a não recorrer mais a truques contábeis que têm trazido descrédito às contas públicas, solapando uma reputação de confiabilidade duramente construída ao longo de mais de 20 anos. Não há como levar a sério a política macroeconômica, se as contas públicas oficiais já não espelham a real evolução do quadro fiscal do País.

Em meio a uma transição de governo que deverá transcorrer sob o signo da mais tranquila continuidade administrativa, lidar com esse desafio pode ser um problema mais complexo do que parece, pois o que se faz necessário, na área fiscal, é uma quebra marcada e inequívoca com o que vem sendo observado no segundo mandato do presidente Lula.

O desafio traz à mente uma situação similar que ajuda a lançar luz sobre as dificuldades que poderão estar envolvidas. Ao longo de 2006, o governo Néstor Kirchner tentou de todas as formas pressionar a instituição responsável pelo cômputo da taxa oficial de inflação na Argentina a adulterar os cálculos. As pressões culminaram na intervenção do governo no INDEC (Instituto Nacional de Estadística y Censos) no início de 2007. Meses depois, em dezembro de 2007, Cristina Fernández de Kirchner, eleita sucessora de Néstor Kirchner, tomou posse como presidente da Argentina.

No período que antecedeu à sua posse, discutiu-se a possibilidade de que a presidente eleita aproveitasse a transição de governo para restaurar a credibilidade do índice oficial de inflação. A verdade, no entanto, é que, pesados os prós e contras, no seu intrincado cálculo político, Cristina Kirchner preferiu deixar passar a oportunidade. E, em pouco tempo, à medida que seu próprio governo também se envolveu na adulteração dos índices de preços, os custos políticos do abandono dessa prática se tornaram proibitivos. A Argentina permanece até hoje com a condução de sua política macroeconômica comprometida pela completa falta de credibilidade dos dados oficiais de inflação.

O episódio é altamente instrutivo. O que prevaleceu na decisão de Cristina Kirchner foi a resistência a uma mudança brusca e ostensiva que pudesse expor e desgastar o antecessor. Mas há diferenças importantes entre as duas situações. Na decisão com que agora se depara Dilma Rousseff, há espaço para uma mudança mais sutil, que seja inequivocamente convincente, mas menos ostensiva do que a que Cristina Kirchner teria de fazer em 2007. A Dilma Rousseff, bastaria agora entregar a condução da política fiscal do novo governo a um ministro que sabidamente não compactue com os padrões de gestão que prevaleceram nas finanças públicas nos últimos dois anos.

Teria de ser alguém, claro, que não pudesse ser associado às iniciativas que redundaram, de um lado, na rápida deterioração do regime fiscal no segundo mandato de Lula e, de outro, nas patéticas tentativas de escamotear tal deterioração. E não há como tapar o sol com a peneira. Na escolha do novo ministro da Fazenda, teriam de ser evitados nomes do eixo Fazenda-BNDES, diretamente envolvidos na concepção e implementação das medidas que trouxeram inegável descrédito à política fiscal nos últimos anos.

Tais nomes padecem de limitações básicas. Por razões óbvias, nem mesmo reconhecem que esteja havendo deterioração do quadro fiscal. E insistem que não há nada de errado, nem nas colossais transferências do Tesouro ao BNDES, nem nos truques contábeis que transformam emissão de dívida bruta em melhora de superávit primário. Não têm, portanto, condições de comandar o esforço de restauração de credibilidade que se faz necessário.

Com a escolha de seu ministro da Fazenda, Dilma Rousseff vai demarcar a importância efetiva que afinal decidiu dar a esse esforço. Não precisa incorrer no mesmo erro de Cristina.

ROGÉRIO FURQUIM WERNECK é economista e professor da PUC-Rio.


Jornais dos Países Membros do Mercosul


Paraguay“ABC”


Sección: Internacionales


Corea no descarta un TLC con Paraguay, sin Mercosur

Corea estaría dispuesta a negociar un Tratado de Libre Comercio con el Paraguay ante el estancamiento de un acuerdo con el Mercosur, debido a obstáculos creados por Argentina y Brasil, revelaron autoridades de este país asiático. Sin embargo, la normativa del bloque de integración regional impide a nuestro país avanzar en este sentido, limitando de esta forma su capacidad de acceso a nuevos mercados y su expansión comercial.

El director ejecutivo del Consejo Coreano para América Latina y el Caribe, Won Ho Kim, aseguró en un encuentro mantenido en Seúl con un grupo de periodistas latinoamericanos que su país podría negociar libremente y de manera directa con las economías menores del bloque, pero que tal posibilidad es inviable ante la decisión del Mercosur de rechazar la adopción de acuerdos bilaterales entre sus países miembros y otros países.

Kim indicó que Uruguay fue el país que se mostró “más entusiasmado” con la eventualidad de entablar un contacto directo, luego de que se efectuara un estudio de factibilidad entre Corea y el Mercosur, pero que, sin embargo, los socios mayores del bloque expresaron su decisión de no seguir avanzando en la materia.

El propio viceministro de Comercio de Corea, Ahn Ho Young, dijo en diálogo con ABC Color que su país está “muy interesado en un acuerdo de comercio con el Mercosur. Tenemos un grupo de estudio pero, por una razón u otra, no se está avanzando de la forma en que nosotros desearíamos, aunque confiamos en que esto cambie”.

En un encuentro mantenido al margen de la Cumbre del G-20, el viceministro de Comercio coreano dijo que el plan de su país es “acordar colectivamente con el Mercosur, pero deberíamos tomarnos un tiempo para pensar en otras opciones”, señaló cuando fue consultado sobre la posibilidad de entablar negociaciones individuales con los socios menores del bloque.

Sobre este punto en particular, el director ejecutivo del Consejo Coreano para América Latina y el Caribe, Won Ho Kim, lamentó las restricciones impuestas en cláusulas específicas del Mercosur, destacando que, aunque el tamaño de las economías es un factor importante a la hora de avanzar en acuerdos de libre comercio, ese no es el único elemento a ser tenido en cuenta.

Kim, quien la próxima semana realizará una visita a la sede de la Aladi para insistir en la necesidad de potenciar la relación comercial entre Corea y América Latina, destacó que el 7,4% de las exportaciones de su país llegan a esta región.

Por su parte, la inversión directa coreana en América Latina llegó al 7,8% del total en 2008, con un monto global de US$ 1.600 millones. Los datos mencionados evidencian un superávit comercial de Corea con los países de América Latina, por lo que su país está interesado en equilibrar la balanza comercial.

Finalmente, y al mencionar las posibilidades que podrían abrirse al profundizar la relación comercial con Corea, Kim destacó que su país “puede ser el puente con China”.

Cabe destacar que en el año 2009, el Paraguay solamente destinó el 5,4% de sus exportaciones al conjunto de los países del Asia Oriental, lo cual representó solamente algo más de 171 millones de dólares americanos, una cifra sumamente modesta si se considera el potencial que representa el empuje económico de los países que integran esta región del mundo, así como la necesidad de diversificar nuestras ventas al exterior para lograr disminuir la dependencia económica del Mercosur.


Uruguay “La República”


Sección: Agro


UE quiere entrar con quesos a Mercosur

El Ministerio de Relaciones Exteriores de Brasil anunció que la Unión Europea condiciona una integración económica con el Mercosur a que puedan ingresar, libremente, sueros y quesos a Brasil, Argentina y Uruguay. La información ha despertado preocupación en las gremiales lecheras del Mercosur que consideran que es muy complicado para los productores, poder competir con los europeos, por el sistema de subsidios que la UE aplica.

Varias gremiales lecheras del Mercosur han expresado su preocupación por la eventualidad de que puedan entrar a la región, libre de arancel, esos productos lácteos desde Europa, y han indicado que esperan que la leche no se convierta en la moneda que salde el tema comercial de ambos bloques.

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

O Mercosulino 10/11/2010 -www.camara.gov.br/representacaomercosul

Jornal “O Estado de S. Paulo”


Caderno: Internacional


Brasil e Índia não disputam mesma vaga na ONU, diz Amorim
Para o chanceler, reforma que não inclua um país latino-americano é impensável
Tãnia Monteiro

MAPUTO - Repetindo o discurso conciliador adotado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva na segunda-feira em relação à defesa do presidente americano, Barack Obama, da entrada da Índia como membro permanente no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU), o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, disse que isso demonstra a abertura de um canal para uma importante discussão de ampliação do organismo internacional.

Para Amorim, "Brasil e Índia não disputam a mesma vaga" e "não passa pela cabeça de ninguém que em uma reforma do conselho entrem dois países asiáticos e nenhum da África ou América Latina".

Segundo Amorim, as declarações de Obama defendendo a Índia foram dadas quando ele fazia uma visita ao parlamento daquele país. "Mas elas afetam positivamente o Brasil, porque mostra que o presidente Obama está com a cabeça aberta para uma reforma da ONU, que inclua os países em desenvolvimento e, falando em reforma, obviamente, não se pode desconhecer o Brasil e os países africanos", afirmou o ministro, que acompanha o presidente na viagem a Moçambique.

Amorim lembrou que o Brasil tem o apoio da França e do Reino Unido para obter um assento com a reforma do Conselho de Segurança da ONU. Ele reconhece o peso dos EUA no processo, pela importância do país e considera que a mudança não "será difícil". "Vamos ter de continuar a batalhar e convencer os outros a votar no Brasil", comentou, insistindo que o que é importante, neste momento, é o aceno americano. "Nunca um presidente americano aceitou um país em desenvolvimento no conselho. É uma boa abertura", acrescentou o chanceler.

Amorim negou que as relações entre os EUA e o Brasil tenham "esfriado". Segundo ele, a visita de Obama ao Brasil "vai acontecer em breve" e "em algum momento" e lembrou que o presidente americano não esteve em nenhum local da America Latina.

Sobre a reunião do G-20, que será realizada neste semana, em Seul, o ministro Amorim defendeu a necessidade de os países discutirem conjuntamente uma solução. "Não queremos dar conselhos aos EUA, mas quando se reforçam instrumentos multilaterais de ação como o G-20 é natural que isso seja objeto de discussão", declarou Amorim, acrescentando que é preciso ter uma coordenação.

Segundo o chanceler, quando se defende uma economia globalizada, um mercado aberto, com capital e comércio correndo livremente, "não se pode tratar a política monetária separadamente". E, neste caso, ressaltou, não dá para dizer que o que é bom para os EUA seja bom para todos. "Se os EUA crescerem é certo que é bom para todos os países no mundo. Mas depende como será este crescimento e se vai haver ou não guerra fiscal", disse. Para Amorim, o perigo é a política monetária que será adotada porque, "se ela for muito forte, muito liberal, vai levar a uma desvalorização muito grande da sua moeda, o que é ruim".


Mudanças no Conselho da ONU serão difíceis
Cenário: Neil MacFarquhar

Uma reestruturação do Conselho de Segurança das Nações Unidas, mesmo levando em conta a morosidade da organização, vem sendo negociada há 18 meses sem nenhuma solução à vista. Conversações vagas dentro do Grupo de Trabalho Aberto, apelidado de comissão "perpétua", deram lugar, em 2008, ao que se pretendeu ser negociações de verdade. Nenhuma barganha ocorreu.

Mas, no caso de conversações efetivas, existe potencial para se chegar a um consenso. Entre os principais temas a ser debatidos estão: como ampliar o atual Conselho para mais de 15 assentos; se esses assentos serão permanentes ou seus membros deverão ser eleitos; e se os novos membros terão poder de veto. Há uma profusão de propostas: cinco novos membros permanentes sem poder de veto, mais cinco outros eleitos, perfazendo um total de 25, por exemplo, ou a criação de um nível intermediário de cadeiras para países bastante envolvidos na ONU, com um mandato de três ou quatro anos.

Há um acordo no sentido de que o Conselho, que ainda reflete o mundo de 1945, precisa ser expandido para incluir potências emergentes. O Conselho foi ampliado de 11 para 15 membros em 1965, e a China assumiu o assento permanente em 1971. Mas, salvo a proposta de ampliação, não há consenso sobre nenhuma outra questão, e as disputas regionais sobre quem poderá preencher as novas cadeiras permanentes tornam qualquer mudança problemática, talvez impossível. O anúncio feito pelo presidente Obama foi inusitado, uma vez que ele, na realidade, indicou a Índia como candidata a uma vaga permanente. Rússia e França, como os EUA, às vezes endossam um novo membro permanente: o Brasil.

Os cinco membros permanentes têm feito pouco para a proposta avançar. Analistas questionam se um Conselho ampliado será mais eficaz; ele pode se tornar ainda mais moroso nas decisões. Outros analistas observam que Obama pode propor esse tipo de mudança, como se os EUA reconhecessem que a Índia tem um papel mais consistente no mundo, mas sem esperar alguma mudança de fato. "Não nos custa nada tentar vender motocicletas na Índia e propor alguma coisa que vai acabar dando em nada", disse Thomas G. Weiss, professor de ciências políticas e autor do livro What´s wrong with the United Nations (O que há de errado com as Nações Unidas). / TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO

É JORNALISTA DO "NEW YORK TIMES"


Caderno: Economia & Negócios


UE quer vetar empresas brasileiras em licitações
União Europeia prepara lei para permitir a exclusão de empresas em obras públicas, em retaliação a medidas consideradas protecionistas
Jamil Chade CORRESPONDENTE / GENEBRA

A Odebrecht, Camargo Correa e Andrade Gutierrez que se cuidem. A partir de 2011, a União Europeia quer adotar uma lei que permitirá a exclusão de empresas brasileiras de licitações públicas na Europa, em retaliação a medidas consideradas protecionistas.

A proposta está sendo feita não só em relação ao Brasil, mas também a outras economias emergentes, como forma de pressão para abrirem seus mercados às empresas europeias em contratos de licitação pública.

A medida faz parte da estratégia de comércio exterior lançada ontem pela União Europeia (UE) para os próximos dez anos. Europeus avaliam que estão perdendo espaço no comércio internacional. Para reconquistar posições perdidas, a UE decidiu enfrentar as barreiras impostas pelos mercados emergentes, principalmente dos Brics.

A UE listou seis países considerados como prioridade no relacionamento comercial até 2020: Estados Unidos, China, Japão, Índia, Rússia e o Brasil. Mas, ao colocar o Brasil como prioridade, a Europa também indica que o País precisa abrir seu mercado.

A principal queixa da UE se refere ao regime de licitações públicas existente no País. A Europa acusa o governo de ter criado neste ano o seu "Buy Brazilian", um programa que daria privilégios às empresas nacionais em processos de licitação e de compras governamentais no Brasil. Para poder participar de contratos públicos, empresas teriam de ter um mínimo de conteúdo de peças, equipamentos e serviços originários do Brasil.

Os europeus estimam que o mercado brasileiro possa movimentar mais de 133 bilhões por ano em compras públicas, 13% do PIB nacional. O volume seria superior aos mercados da Argentina e Índia juntos. Os europeus estimam que poderiam participar de pelo menos 42 bilhões dos contratos do Brasil.

Proposta. Pela proposta, a UE puniria países que se recusem a abrir seus mercados. "Em 2011, faremos uma proposta legislativa para criar um instrumento que ajude a garantir e aumentar a simetria no acesso a mercados de licitações públicas em países ricos e em grandes economias emergentes", afirma o documento da UE.

Para Bruxelas, a Europa tem um dos mercados de licitação pública mais abertos do mundo, movimentando o equivalente a 10% do PIB europeu. Agora, a proposta da UE é "olho por olho, dente por dente". "A reciprocidade precisa existir", afirmou o comissário de Comércio da UE, Karel De Gucht.

"Não vamos fechar totalmente nosso mercado. Mas vamos reagir se outros não abrirem os mercados para nós", explicou o comissário.

Na prática, a lei proibirá que empresas de certos países tenham acesso a disputar contratos em compras governamentais feitas por municípios, Estados e países europeus. A barreira apenas seria levantada se o país aceitasse abrir o próprio mercado. "A retaliação vai ocorrer em setores específicos", prometeu De Gucht.

O comissário deixa claro que o Brasil não é o único foco da ofensiva e fez questão de citar a situação na China. Pequim mantém seu mercado de obras públicas ainda restrito e, quando abre, exige das empresas europeias investimentos, que contrate trabalhadores locais e tenha seus fornecedores todos chineses.


Jornal “O Globo”


Opinião


Ilusões de uma política externa

O mundo visto pelas lentes fora de foco do terceiro mundismo da década de 70 do século passado não tinha complexidade. Havia o Norte, rico, de nações poderosas e que exploravam sociedades do Sul, pobres, num modelo de relacionamento comercial em que a região abaixo da Linha do Equador vendia matérias-primas a preços baixos aos nortistas, os quais manufaturavam estes produtos primários e os exportavam de volta aos sulistas a preços altos, por serem bens industrializados.

De 70 para cá, houve mudanças importantes.

Países como o Brasil alcançaram um razoável grau de industrialização, e teve início uma nova e vertiginosa revolução tecnológica.

Mas nada disso impediu que, na chegada de Lula a Brasília, vários daqueles conceitos fossilizados fossem resgatados do arquivo morto da História e colocados em prática. É esta política externa, tão trombeteada por Lula e seguidores, que, mais uma vez, foi desmoralizada e colocada em xeque, agora com o apoio formal do presidente americano, Barack Obama, à entrada da Índia no círculo de membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU. Não importa que o aceno de Obama venha a ter pouco ou nenhum efeito prático. Se um dos países titulares do CS não quiser, a Índia, ou qualquer outro, não entra.

E será difícil convencer a China a aceitar a presença de um segundo gigante asiático neste círculo fechado de poder. Aliás, um dos objetivos de Obama parece ter sido fustigar a própria China, com quem os Estados Unidos se chocam no complicado e sério imbróglio cambial em que o mundo está metido.

Mas fica evidente que, ao importar da década de 70 do século passado uma diplomacia de viés antiamericanista, o Brasil se alijou da lista de aspirantes com chances de entrar no primeiro time do CS. Não será mesmo se aproximando de ditaduras como a teocrática do Irã que Brasília aumentará a presença nos centros de poder de decisão da diplomacia multilateral.

Por esta visão maniqueísta, o Brasil representaria o Sul contra o Norte. Engano crasso, pelo simples motivo de que não existe este conflito ditado por latitudes e longitudes. O “Itamaraty do B” deveria ter aprendido a lição em 2008, no desfecho da Rodada de Doha, de liberação do comércio internacional.

Fiando-se no que considera parceiros estratégicos, o Brasil, numa tentativa correta de salvar a Rodada, aceitou fazer algumas concessões ao bloco de economias desenvolvidas, para melhorar o acesso a estes mercados de produtos agropecuários seus e de outros países menos avançados.

Pois foi boicotado pelos “aliados” Índia, China e Argentina, e a Rodada fracassou, estando hoje no freezer da Organização Mundial do Comércio (OMC).

Ali já ficara claro que o eixo Brasil, Índia, China, Argentina e outros existe mais na cabeça de militantes desta diplomacia do que na vida real. Ora, se há aspectos complementares, também existem interesses conflitantes entre esses países. Como também é um equívoco só ver áreas de conflito com os EUA, e não enxergar as coincidências de interesses, que existem. Tanto é equivocada esta percepção maniqueísta do mundo que o Brasil chega ao G-20 com discordâncias em relação à China — que deveriam ser mais explicitadas — e pontos em comum com a Alemanha sobre a injeção americana de liquidez no mercado — diga-se, correta, por falta de alternativa. No mundo da política e da diplomacia, entre o “sim” e o “não” há incontáveis alternativas.

‘Itamaraty do B’ conta com aliados estratégicos que não existem


Jornais dos Países Membros do Mercosul


Paraguay“ABC”


Sección: Economía


Paraguay dispondrá de toda su energía en 2012

HERNANDARIAS (De nuestra redacción regional). En el 2012, Paraguay ya podrá acceder al 50% de la energía hidroeléctrica que produce Itaipú, dijo el director técnico, ingeniero Rubén Brasa, quien informó al grupo de senadores de las obras que pretenden terminar este año y el próximo, como la ampliación de la subestación, puesta en marcha del transformador TxRx, y el área de seccionamiento para captar la energía que actualmente lleva Brasil.

Por el momento Paraguay todavía no podrá disponer del 50% de la energía eléctrica generada en Itaipú. Para lograr eso, se está construyendo a toda máquina la subestación Villa Hayes, que es un predio de 137 hectáreas, de las cuales la superficie utilizada será de unas 30 hectáreas y cuya capacidad inicial de transformación de energía será de 1.200 MVA/ 500/220/23 KV.

La otra obra, que comenzará a construirse el próximo año, es la misma línea de 500 kV, cuya longitud es de 374 kilómetros, cuya potencia supera 2.215 MVA, luego se hará una tercera obra para seccionar las líneas que llevan electricidad de Itaipú al Brasil, de manera a traer esa energía al Paraguay, que sería el 50% del total producido. Esto hace que se cumpla parte del acuerdo entre el presidente Fernando Lugo y el ex mandatario del Brasil, Luis Inácio Lula, en el cual el Paraguay debe disponer libremente de la mitad de la energía hidroeléctrica, manifestó el director técnico del ente.

Más transformadores

En la subestación de margen derecha de la usina, además de los cinco transformadores, el próximo año colocarán otro de reserva, parte de un antiguo plan que nunca se realizó. Con la puesta en servicio del Transformador TXRX, aún en montaje, aumentará para nuestro país un 30% la energía disponible en Itaipú, con hoy, aunque pareza extraño, choca con un techo de 130 MW.

Brasil se lleva el 92%

Brasil se lleva actualmente el 92% de la energía eléctrica generada en Itaipú; es decir, 82.800.000 MWh, sin la producción de la usina es de 90.000.000 de MWh. El resto es lo que le queda a nuestro país. Recordemos también que Paraguay sigue recibiendo por su cuantioso excedente, hasta ahora, US$ 3 por MWh.


“La Nación”


Sección: Negócios


Empresa se vuelca al tártago y producirá aceite para el Mercosur
Arrancará con la producción de 1.000 hectáreas de materia prima en Paraguarí y San Pedro.

La empresa local Royale decide incorporar la industrialización de tártago a su planta, tras varios años de apuesta por el coco, buscando ocupar sitios de preponderancia en los mercados del Mercosur, con el aceite de ricino –extraído del tártago–, según informó Rafael Delgado, asesor técnico de la firma.

En el primer año de trabajo, el volumen de procesamiento sería de unas 2 mil toneladas de materia prima, que fácilmente llegarían a unos 3 millones de litros cúbicos, teniendo en cuenta, que el rendimiento promedio de extracción de aceite del tártago asciende al 40%.

La planta ubicada en Yaguarón, departamento de Paraguarí, de esta forma pretende llegar como primer paso a los mercados de los países vecinos, para luego ir evaluando otros destinos más competitivos.

“Estamos empezando el trabajo para la producción de materia prima, es la primera experiencia de esta empresa con el tártago, porque siempre trabajaron con el coco, y esperamos tener buenos resultados en la parte agronómica, para poder sustentar la apuesta de los directivos por este rubro”, resaltó.

PARAGUARÍ Y S. PEDRO

Precisó que está empezando el trabajo de la firma con este rubro. En primera instancia buscan llegar a unas 1.000 hectáreas de cultivos, teniendo como focos de producción a los departamentos de Paraguarí y San Pedro.

“Como primer objetivo surge la idea de cubrir una superficie de 1.000 hectáreas, para industrializar aceite de ricino con el fin de llegar a los mercados del Mercosur”, enfatizó.

Delgado informó que mediante esta iniciativa se está brindando una oportunidad a los productores del noveno departamento, atendiendo a que no tienen muchas alternativas, luego de la desaparición del algodón. Asimismo, en el segundo departamento del país, están intensificándose las tareas, pero tienen una férrea competencia en esta zona, ya que la multinacional inglesa WS Lloyd, desde hace años trabaja en la promoción de este rubro.

Agregó que a parte de expandirse a otros mercados, están con la idea firme de desarrollar aceites con valor agregado, para evitar los envíos del extracto de ricino en bruto.

VALOR AGREGADO

“Queremos también en el futuro desarrollar tipos de aceites con valor agregado, que tienen mayor valor en el mercado, porque exportar aceite de ricino en bruto no conviene mucho, por ende estamos apuntando a generar mayores ingresos en el futuro con materiales que nos ayuden a ganar una mayor consideración en el mercado”, resaltó.

La firma tuvo que realizar algunas innovaciones para iniciar el proceso de industrialización del tártago.

Fuga al Brasil

La firma Royale se suma a la WS Lloyd, en el trabajo de promoción del tártago en el país, que tropieza con la fuga de un volumen importante al Brasil, hecho que frena el desarrollo de las industrias instaladas en el país para la industrialización de este rubro.

Se estima que anualmente se fugan unas 12 mil toneladas, de las cuales solo son registradas 6.000 toneladas.

Rafael Delgado, asesor técnico de la firma Royale, expresó que no se puede invertir en el desarrollo de este rubro en el departamento de Concepción, porque toda la materia prima se fuga al Brasil, de formas legal e ilegal.

Precisó que se estima una producción de alrededor de 5.000 hectáreas, contabilizando el trabajo de WS Lloyd y Royale.

O Mercosulino 09/11/2010 -www.camara.gov.br/representacaomercosul

Jornal ‘Valor Econômico”


Caderno: Brasil


Brasil e México iniciam negociação para acordo
Sergio Leo | De Brasília

Brasil e México decidiram ontem começar para valer a negociação para um acordo de "integração econômica", que deverá derrubar barreiras ao comércio e à prestação de serviços, estabelecer regras de proteção a investimentos e à propriedade intelectual, e criar preferências para empresas de ambos os países nas compras de governo. As equipes negociadoras devem se reunir no início de 2011 para iniciar as discussões sobre o formato final do acordo, proposta pela primeira vez pelo presidente mexicano, Felipe Calderón, durante visita ao Brasil, há pouco mais de um ano.

"A aproximação entre México e Brasil deve ter grande impacto na integração da região sul-americana e do Caribe", comentou o diretor do Departamento de Aladi e Integração Regional do Ministério de Relações Exterior, Paulo França. As negociações seguirão os "termos de referência" acertados entre técnicos dos dois governos em maio, que preveem, por exemplo, que a discussão sobre comércio e serviço deve permitir "acesso real aos mercados, atendendo de maneira ágil e efetiva os problemas pontuais e as barreiras não-tarifárias".

O México é o único país com o qual o Brasil pode negociar isoladamente um acordo de livre comércio, sem necessidade de participação dos sócios no Mercosul, graças a um acordo-quadro firmado entre os mexicanos e os países do bloco. O acordo a ser firmado terá uma lista de setores "vulneráveis", que terão tratamento diferenciado, sem liberação, pelo menos em médio prazo, do comércio. Também foi estabelecido que todos os pontos do acordo só entrarão em vigor simultaneamente, quando todas as questões tiverem sido discutidas e acertadas.

Até hoje, os esforços de aproximação para um acordo de livre comércio vinham esbarrando na resistência de empresários temerosos da competição - ultimamente apenas do lado mexicano, já que os empresários brasileiros, desde 2007, vêm pressionando os dois governos intensamente para a liberalização comercial bilateral.

"O fato de ser um acordo amplo, abrangendo muitas áreas, é muito importante", comentou o diretor-executivo da Confederação Nacional da Indústria (CNI), José Augusto Fernandes. "Servirá inclusive para testar a capacidade brasileira de negociação nessas áreas, como investimentos; abre um experimento interessante". Paulo França atesta que o setor privado brasileiro teve "papel importantíssimo" no convencimento do governo mexicano e dos empresários.

Segundo um diplomata mexicano, há uma "fadiga" no México em relação aos acordos de livre comércio, devido à avaliação de que o setor privado local não se beneficiou da liberalização como esperava, ao encontrar barreiras inesperadas em outros países e enfrentar maior competição no mercado mexicano.

O comunicado conjunto de Brasil e México afirma que o acordo terá "cobertura integral", o que significa que, apesar da ressalva para produtos "sensíveis", as negociações tratarão de todos os setores industriais e agrícolas dos dois países. "Queremos que o acordo tenha também um componente de cooperação, capaz de envolver a Embrapa e a Petrobras, por exemplo", acrescenta França.


Caderno: Internacional


Argentina volta a atrair investidores
Daniel Rittner | De Buenos Aires

Esqueçam o maior calote da história e a permanente crise política. Em tempos de extrema liquidez financeira e de aposta nos mercados emergentes, a Argentina se tornou a namorada mais recente dos investidores financeiros. A Bolsa de Valores de Buenos Aires, apesar da queda de 0,7% no pregão de ontem, bateu 12 recordes seguidos de alta até sexta-feira. Os negócios com ações locais ultrapassaram a barreira de 200 milhões de pesos (US$ 50 milhões) nos últimos dias - volume ínfimo se comparado ao da Bovespa, mas que praticamente quadruplica o registrado há apenas um mês.

O risco-país chegou a ficar abaixo de 500 pontos, patamar que não alcançava desde março de 2008, quando eclodiu a crise do campo com a presidente Cristina Kirchner, pela tentativa de aumento dos impostos às exportações agrícolas. Aproveitando a trégua com a Argentina, as empresas voltaram a captar recursos. A Arcor, uma das maiores fabricantes mundiais de chocolates e guloseimas, conseguiu US$ 200 milhões com vencimento em 2017, em sua primeira emissão de títulos. Os juros - de 7,25% ao ano - são os mais baixos para uma companhia argentina desde 2007. A petrolífera YPF (hoje controlada pela espanhola Repsol) se animou e aprovou uma captação internacional no valor de US$ 300 milhões.

"Os mercados de capitais se abriram para a Argentina", comemorou o ministro da Economia, Amado Boudou. O próprio governo estuda voltar ao mercado de crédito, com o lançamento de um novo título, aguardado desde o primeiro trimestre. Na época, Boudou e sua equipe diziam buscar juros abaixo de 10% ao ano, o que para boa parte dos analistas parecia ousado. Hoje, fala-se até em 6%.

Segundo economistas ouvidos pelo Valor, três fatores bem diferentes fizeram com que os investidores recuperassem o ânimo com o país. Do lado da conjuntura internacional, o apetite pelo risco e a busca por maiores taxas de retorno ajudaram, principalmente após o aumento do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) no Brasil. Na questão política, a morte do ex-presidente Néstor Kirchner foi recebida pelo mundo das finanças como um sinal de diminuição do risco de novas ofensivas contra a iniciativa privada, embora seja remota a chance de reversão de medidas como a maquiagem de números do Instituto Nacional de Estatística e Censos (Indec).

No entanto, segundo os analistas, há um terceiro fator mais estrutural. Em junho, o governo argentino concluiu a segunda reestruturação da dívida externa em moratória desde 2002. Com a nova rodada de negociações, já houve acordo com quase 93% dos credores - ficaram de fora, basicamente, os "fundos abutres" americanos e uma parcela dos minoritários italianos. Isso se somou a seguidos esforços, pela Casa Rosada, de demonstrar que não há chances de novo calote.

"Havia certo exagero [para baixo] do mercado quanto à avaliação dos ativos argentinos", afirmou o diretor da consultoria Analytica, Ricardo Delgado. Para ele, o governo já deu todos os sinais de que continuará pagando a dívida pública. Esses sinais, segundo o economista, incluíram a estatização dos fundos de pensão, em 2008, e o anúncio de uso das reservas internacionais do Banco Central, no fim de 2009.

Delgado avaliou que a tendência de melhoria dos indicadores argentinos deverá seguir nas próximas semanas. "Isso é parte de um movimento que abrange toda a região, mas que aqui foi reforçada após os controles de capitais no Brasil", disse. Para relativizar, ele acrescentou que o mercado argentino ainda é pequeno e "as alterações são fortes com a entrada de relativamente pouco dinheiro".

Para alguns empresários, o movimento dos últimos dias é mais do que um bom humor passageiro. "A Argentina, em geral, está barata. Há uma percepção de que os ativos vão se valorizar", comentou o presidente da TGLT, Federico Weil. Incorporadora imobiliária de alto padrão, a empresa quebrou um jejum da bolsa portenha e fez a primeira abertura de capital em dois anos e meio. Arrecadou US$ 55,6 milhões. Dos novos acionistas, 66% são investidores institucionais estrangeiros. A brasileira PDG Realty já fazia parte do capital da TGLT, que tem 370 mil metros quadrados construídos ou em construção. "Temos a certeza de que seremos a primeira de muitas empresas que vão fazer o mesmo [oferta de ações]", completou Weil, mostrando-se confiante na economia do país.


Jornal “O Estado de S. Paulo”


Notas & Informações


O G-20 em guerra

A guerra cambial vai ser o assunto mais importante da próxima reunião de cúpula do Grupo dos 20 (G-20), marcada para quinta e sexta-feira em Seul. Tudo está armado para um grande confronto. A palavra guerra podia ser um exagero até agora, mas o ambiente, já envenenado, piorou muito desde a semana passada, quando o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) anunciou a disposição de lançar US$ 600 bilhões nos mercados até o meio do próximo ano. Se o plano for cumprido, serão emitidos em média US$ 75 bilhões por mês. Ninguém sabe se isso ajudará a economia dos Estados Unidos a recuperar-se, mas sobre um ponto não há dúvida: com as novas emissões a depreciação da moeda americana tenderá a acentuar-se e isso agravará os problemas comerciais da maior parte dos países, tanto desenvolvidos quanto em desenvolvimento. O Brasil, já afetado há alguns anos pela valorização do real, sofrerá perdas maiores em suas contas externas, se o desajuste cambial se acentuar.

O presidente Barack Obama enfrentará, em Seul, forte resistência às suas propostas. Sem a promessa do Fed de emitir os US$ 600 bilhões, o presidente americano poderia mais facilmente mobilizar o apoio de outros países desenvolvidos para pressionar a China a valorizar o yuan. Afinal, todos se queixam, desde antes da crise mundial, da manipulação do câmbio pelas autoridades chinesas.

A nova proposta americana concentra a pressão sobre a China e é mais aceitável para os alemães do que aquela apresentada há algumas semanas no encontro ministerial, em Gyeongju, preparatório da reunião de cúpula. Naquela reunião, o secretário Timothy Geithner defendeu a adoção de um limite para os superávits ou déficits das contas externas - 4% do Produto Interno Bruto (PIB). Os alemães, com superávit de 6,1% em transações correntes, reagiram muito mal e alegaram fazer parte de uma união monetária, a do euro. Não poderiam, portanto, valorizar sua moeda. Em seu novo lance, o governo dos Estados Unidos leva em conta esse argumento e, além disso, propõe uma "banda indicativa" para a adoção de políticas de ajuste. O confronto direto, portanto, é com a China, detentora de superávit de 4,7% nas contas correntes. Mas a política americana de afrouxamento monetário - embora realizada por um banco central independente do Executivo - foi recebida com críticas muito duras por governos de países tanto desenvolvidos quanto emergentes.

O presidente Barack Obama resolveu buscar algum apoio por meio de ações paralelas. Em Nova Délhi, ontem, o presidente americano declarou apoio à inclusão da Índia no Conselho de Segurança das Nações Unidas como membro permanente. O governo brasileiro até hoje não conseguiu esse apoio e não se pode prever se um dia conseguirá. Além disso, Obama anunciou o afrouxamento de restrições à exportação de certos tipos de tecnologia à Índia.

O governo brasileiro pretende incluir na declaração final do encontro uma recomendação para o uso de "instrumentos macroprudenciais" para controle dos fluxos de capital. Em linguagem comum, isso corresponde a "controles". Não será uma revolução. Desde o ano passado o Fundo Monetário Internacional (FMI) tem apoiado o uso temporário de controles e o governo brasileiro já os adotou. Além disso, as autoridades brasileiras têm criticado as propostas americanas de limite para os desequilíbrios externos e atribuem às políticas dos Estados Unidos o agravamento da desordem cambial. Na interpretação brasileira, o governo chinês tem apenas procurado compensar a depreciação do dólar. Essa interpretação omite um fato: o yuan já era subvalorizado antes da crise e o governo chinês continua manipulando a moeda. Só uma decisão ideológica - mais um lance terceiro-mundista - pode explicar o alinhamento brasileiro nesse caso.

Os chefes de governo deverão discutir também a reforma do sistema financeiro. O roteiro está praticamente montado. Outro dado positivo se refere à redistribuição de cotas e votos no Fundo Monetário Internacional. O esquema geral foi aprovado sexta-feira passada pela diretoria executiva da instituição. É uma boa notícia, mas não resolve a disputa cambial.


Risco do protecionismo

O número de medidas protecionistas nas áreas comercial e financeira adotadas em 2010 na maioria dos países do G-20 caiu em relação às do ano passado, como resposta local aos efeitos da crise internacional. Nos últimos meses, a maioria desses países resistiu às pressões domésticas pela criação de novas barreiras à entrada de bens, serviços e investimentos.

É o que mostram relatórios conjuntos elaborados pela Organização Mundial do Comércio (OMC), Conferência das Nações Unidas para o Comércio e o Desenvolvimento (Unctad) e Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) como preparação para a reunião dos chefes de governo do G-20 que se realizará em Seul, capital da Coreia do Sul, na quinta e sexta-feira próximas.

Neste ano o Brasil recorreu com mais frequência do que a maioria dos demais países a medidas de defesa comercial. O uso excessivo dessas medidas, normalmente aceitas pelas organizações internacionais, pode indicar proteção disfarçada a áreas sensíveis da indústria local. O Brasil foi também dos poucos que impuseram restrições a investimentos estrangeiros.

De acordo com a OMC, o Brasil foi, entre os países do G-20, o segundo que mais abriu investigações antidumping nos nove primeiros meses deste ano. Foram 23 novos processos, contra apenas 4 em todo o ano passado. Do G-20, só a Índia iniciou mais investigações que o Brasil (32 casos). A União Europeia, com 13, ficou em terceiro lugar.

Se essas investigações resultarem na comprovação de prática de dumping -, isto é, a venda por preços considerados desleais para afastar a concorrência, pelo país denunciado -, o país prejudicado terá permissão para adotar medidas de defesa, como a imposição de tarifas extras. No caso do Brasil, o grande alvo das denúncias tem sido a China, já sujeita a barreiras para colocar no mercado brasileiro artigos como canetas, sapatos, produtos químicos, têxteis e aço.

A Unctad, por sua vez, apontou o Brasil como um dos quatro países do G-20 (ao lado de Austrália, Indonésia e Coreia do Sul) que, neste ano, impuseram restrições à compra de terras por estrangeiros. Quanto ao controle da entrada de capital, o Brasil é um dos três (com Indonésia e Coreia do Sul) que o impuseram.

Além disso, entre os membros do G-20 o Brasil é o que tem menos tratados internacionais ou bilaterais de investimento. São apenas 34, contra 74 da Argentina, 101 da África do Sul e 140 da China.

O relatório das três organizações internacionais não tem o objetivo de apontar este ou aquele país como mais ou menos protecionista do que os demais, embora os governantes daqueles que mais recorreram a medidas desse tipo devessem refletir sobre a sua oportunidade, sua eventual eficácia e, sobretudo, sobre as perdas que elas podem provocar para os países que as adotam e para o resto do mundo. O objetivo da OMC, da Unctad e da OCDE é apresentar um quadro da evolução do protecionismo e das medidas destinadas a liberalizar o fluxo internacional de bens, serviços e investimentos, para advertir os governantes do G-20 sobre, de um lado, os efeitos negativos das medidas protecionistas para a economia mundial e, de outro, a necessidade de estimular aquele fluxo como meio de reativar as atividades econômicas afetadas pela crise de 2008.

Numa advertência aos países que utilizam a taxa de câmbio para aumentar as exportações, as três organizações observam que essa prática coloca em risco a estabilidade do sistema mundial de comércio. Acrescentam que "problemas econômicos cujas origens estão fora do campo do comércio e dos investimentos não podem ser resolvidos com restrições ao fluxo internacional de bens e capital", pois o protecionismo "apenas tornará mais difícil a tarefa de encontrar e colocar em prática soluções duradouras para o problema".

Por isso, afirmam que o livre fluxo de comércio e investimentos "tem sido e continuará sendo crucial para assegurar oportunidades aos países para sair da crise global, sobretudo num momento de crescentes dificuldades fiscais em muitos deles".


Caderno: Internacional


Colômbia e Venezuela abrem discussão de pacto comercial
Primeira das seis rodadas de negociações do acordo acontece nessa semana e é parte da retomada das relações diplomáticas
AP e AFP
CARACAS

Delegações de Venezuela e Colômbia reúnem-se hoje para iniciar as negociações de um acordo comercial bilateral entre os dois países. O encontro é o primeiro passo após o compromisso assumido pelos presidentes Hugo Chávez e Juan Manuel Santos de retomar as relações entre os dois países. O pacto comercial deve ser assinado em abril.

Caracas e Bogotá devem fazer seis rodadas de negociações, a primeira nesta semana, para acertar os detalhes do acordo. Chávez e Santos ainda concordaram em se encontrar a cada três meses. No fim de semana, o presidente colombiano chegou a dizer que o venezuelano é o seu "novo melhor amigo".

O comércio entre os dois países chegou a US$ 7 bilhões em 2008, mas foi reduzido drasticamente após as sucessivas crises diplomáticas entre Chávez e o ex-presidente colombiano Álvaro Uribe. As exportações colombianas para a Venezuela se reduziram 71% entre janeiro e agosto, e a balança comercial entre os dois países deve chegar a apenas US$ 1.800 bilhões.

Santos afirmou que além da retomada do comércio bilateral, os dois países planejam obras de infraestrutura conjuntas. Segundo o presidente colombiano, os vizinhos já iniciaram colaborações na área de segurança, citando um exemplo do sequestro de uma venezuelana na fronteira por um dos grupos guerrilheiros colombianos, o Exército de Libertação Nacional (ELN). "Após um chamado da Colômbia, autoridades venezuelanas reagiram imediatamente e libertaram a mulher", afirmou.

Em agosto, os dois presidentes acertaram a criação de cinco comissões bilaterais para tratar dos principais problemas entre Caracas e Bogotá - além do acordo comercial, o pagamento da dívida de Caracas, segurança na fronteira, infraestrutura e investimento social. Os empresários venezuelanos devem cerca de US$ 800 milhões aos colombianos, pagamento que é renegociado pelos dois países.

A Venezuela era o segundo maior parceiro comercial até o congelamento das relações com a Colômbia em julho do ano passado. Segundo a imprensa colombiana, os empresários do país não estão otimistas na retomada das exportações para a Venezuela, principalmente por causa da crise econômica que atinge o governo chavista. O país é o único em recessão na América Latina, e estimativas apontam que o PIB venezuelano cairá cerca de 2,5% neste ano.

PRINCIPAIS CRISES

2004-Guerrilheiro Rodrigo Granda é sequestrado em Caracas

2009-Anúncio de base dos EUA na Colômbia agrava crise

2010 -Denúncia de presença das Farc na Venezuela faz Chávez cancelar ida à posse de Santos


Jornais dos Países Membros do Mercosul


Paraguay“ABC”


Sección: Economía


Marcha de obras con fondos de Focem

La oficina ejecutora de los proyectos de la cartera de Obras, financiados a través del Fondo para la Convergencia Estructural del Mercosur (Focem), aseguró que los trabajos viales en ejecución se encuentran con calendarios avanzados.

Según esa dependencia, en el marco de las obras que integran el proyecto de rehabilitación y mejoramiento de carreteras de acceso y circunvalación de Asunción, el recapado del tramo Ñemby-San Lorenzo-Luque, de 19,5 kilómetros, ya completó el 57,21% de su calendario de ejecución.

El tramo Areguá-Patiño-Ypacaraí, de 16 kilómetros, tiene un 87,40% de avance y la sección que une Luque-Limpio-Piquete Cue, de 19,9 kilómetros, ya se encuentra actualmente con un avance de 96%.

En cuanto a los trabajos en el tramo Luque-Areguá-Ruta II, el informe de la dependencia ministerial señala que viene experimentando hasta la fecha un avance físico de 50,43%.

Sin embargo, se viene escuchando quejas por la lentitud en las tareas y, por otra parte, por su deficiente señalización.

Este recapado lo ejecuta el Consorcio Caminero Central – Mercosur, conformado por CCI Construcciones, Edivisa y TR Construcciones (Caminero Central; y Covipa SA, Ing. Miguel Angel Chávez y López Comercial (Mercosur). Entre los responsables de este consorcio se encuentran además del Ing. Chávez, Emilio Díaz de Vivar y Raúl López.

El monto de contrato de la construcción es de G. 24.207.994.323, su extensión total es de 23 kilómetros y el plazo para la terminación de las obras es de 24 meses a partir de la orden de inicio impartida el 2 de junio de 2009.

La obra más avanzada del grupo que es la correspondiente al tramo Luque-Limpio-Piquete Cue, el MOPC anuncia su inauguración para los primeros días de diciembre.

En el tramo referido se realizaron obras de recapado, carpeta de concreto asfáltico, construcción de banquina de ripio de 2 metros cada lado, señalizaciones horizontales y verticales, refiere el informe ministerial. Además construyeron un puente de hormigón armado, de 15 metros de largo, sobre el arroyo Ykua Duré.

La Constructora Heisecke SA (Ing. Luis Heisecke) fue la empresa contratada para estos trabajos por un monto superior a los G. 16 mil millones.

En Guairá

El MOPC dio cuenta asimismo que a través de los recursos del Focem, está construyendo un puente de hormigón armado de 120 metros de longitud, en el tramo Naville-Troche, que demandará una inversión de más de G. 5 mil millones.

Esta obra experimenta un avance del 60%, se está trabajando en el último tramo y se espera su culminación para mayo de 2011, según lo estipulado contractualmente.